terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Vicky Cristina e Happy Christmas







Andei distante daqui devido à correria de fim de ano e por causa disso ando me perguntando por que será que todo novembro/dezembro a gente tá sempre sobrecarregado, hein? É a correria até a 25 de março pra comprar presente Made in China pros parentes, pros amigos secretos, pra namorada(o). O fim de ano, para alguns, é aquela animação, pra outros é só tédio: especial do Roberto Carlos, Missa do Galo, festa na firma (e você com vontade louca de bater no seu chefe que te sacaneou durante o ano todo), sem falar daquelas visitas inconvenientes que aparecem pra ceia de Natal.

Quando pivete eu não sentia esse corre-corre. Em casa rolava rango na véspera do dia 25 e no réveillon e só, nada de presente e nada de velho barrigudo de vermelho; expectativas pros próximos 365 dias não me causavam desassossegos. A tradição em casa quem mantinha era minha mãe: como boa costureira, nós, os filhos, estávamos sempre arrumadinhos para as ceias, mesmo se não aparecessem visitas. Por que é que eu não podia rangar de bermuda como nos outros dias do ano? Um tio meu me disse certa vez que cuidava da aparência e se vestia elegantemente não por futilidade, mas por altruísmo: por respeito ao próximo, afinal, se você é feio e se veste mal quem sofrerá com isso vai ser o outro que tem que te olhar.

Bem, mas o que eu queria mesmo falar tem a ver com o cinema: andei também distante dos bons filmes e documentários, por culpa do estresse deste período preferi produções menos pensantes, tipo: wall-e, hell boy 2, hancock, zohan entre outras cositas. E, de certa maneira, isso serviu pra que eu recuperasse o barato, a satisfação de ver um bom filme, como foi neste domingo quando assisti o inefável VICKY CRISTINA BARCELONA; um Woody Allen contando a história de duas jovens americanas, Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) que viajam a Barcelona pra passar as férias de verão e acabam se envolvendo em confusões amorosas com um artista extravagante (Javier Bardem )e sua insana ex-esposa, Maria Elena (Penélope Cruz).

Assisti ao filme com a agradável impressão de que as personagens das belas Penélope Cruz, Rebecca Hall e Scarlett Johansson tivessem sido rascunhadas por Almodóvar, aliás: acho que o grande diretor espanhol se arrebatou de inveja, ainda mais pela excelente fotografia e pelo filme ter sido todo rodado em Barcelona e Oviedo - quero pensar que foi uma homenagem de Allen a Almodóvar.
Enfim. Um antigo clichê proferido pela personagem aventureira Cristina (de Johansson) que ao encarar a vida dizia “não saber o que queria, mas sabia exatamente o que não queria” serve de alento pra suportar esse período e essa p... toda.

13 comentários:

marisa disse...

He he! Pela primeira vez posso dizer que já vi alguma dica sua antes de você. Zé, se eu não soubesse que o diretor era o Woody Allen, eu diria, com toda certeza, que era um filme do Almodovar falado em inglês.
Bjs.

ursula disse...

A colega Marisa roubou-me as palavras!!! Ótima dica!! Um grande abraço.

Janaína disse...

Estava esperando pra ver esse filme e agora tenho que fazer um esquema aqui com o Zezinho pra ele amamentar o Dan por duas horas.
Quando o Daniel nasceu eu tomei um hormônio sintético pra ter leite e funcionou. Será que funcionará como Zezinho? Não sei se ele toparia, mas vou propor, quem sabe, né?
BRINCADEIRINHAAAAAA

Alexandre S Mattos disse...

Vi um tequinho desse filme na tv a cabo. Fiquei com um gostinho que 'quero mais'. Agora com sua dica deu mais vontade ainda. Vou ver se ainda está passando na programação. Abçs

crisim disse...

Detalhe a ser notado pelas meninas neste filme: o charme do Javier Bardem...

On The Rocks disse...

hey,

um amigo me indicou este filme.
vou assistir, depois comento aqui.

abs

p.s: vim pela paula adnolfi.

artur disse...

Caro Zé: Òtima rezenha e texto leve e solto! O filme ainda não vi, mas depois disso, e por ser Woody Allen, vou tratar de ter em minha videoteca. Já estou com vários de Woody e é sempre bom mais um. Por acaso conhece a trilogia da Vingança? Assisti este fim de semana mais Cassandra e ficamos de cara! Um dos filmes que compõe essa trilogia é "OldBoy". É de um cineasta coreano e o roteiro é bem interessante, além é claro daquela fotografia que difere muito do cinema feito em Los Angeles. Tô com saudades Brother, dos papos e das cervas nas madrugadas frias depois das baladas na usp! Um abração!

ZECA disse...

1- On the rocks, assim como o filme é porreta, "MP" (Maria Paula Adinolf) é também.

2-Artur, meu caro, gostei de tudo que Woody Allen fez nas zôropa (depois que se cansou de óliude). O "Sonho de Cassandra" é demais.
Xácoeu! vou ver esse "Oldboy" - ah! também tenho gostado de quase tudo que os asiáticos têm produzido (até o cinema árabe tá dando show - você viu "A Banda"?)

Laís disse...

Meus irmão e eu também tínhamos que estar bem vestidos pra ceia do Natal. Ficavamos acordados até meia-noite e depois era hora de dormir. Eu só gostava do Natal quando era na casa de uma tia em Campinas, porque lá as crianças brincavam até de madrugada e os adultos não aborreciam a gente.
Zé, valeu pela dica. vou ver o filme neste find.

marcos sotter disse...

Eu não conhecia Woody Allen, mas depois que vi "Manhattan" procuro ver tudo o que ele dirigiu; com certeza vou ver esse também.
Abraços, Zezinho.

Monica Vieira disse...

Professor, gostei muito do Estômago kkk. Como é o outro filme do mesmo ator que você falou?
Beijos.

Thiago disse...

Valeu pela Dica Zé...
KKK rituais estranhos mesmo esses de natal e de ano novo kkkk

Pq na sexta feira santa o povo me olha torno quando vou ao açougue comprar carne pro churrasco? Pq quando eu era criança minha mãe queria que eu usasse roupa branca na virada sendo que eu queria usar preto ou amarelo...? PQ? rsrs... Entendo sua dor meu caro rs...
Abração!!
Thiago PÉREZ

Sentimental ♥ disse...

putz, estou doida pra ver esse filme, mas ainda não tive tempo. valeu pela dica.
beijos