domingo, 22 de junho de 2008

“Duas Pias”





Há um mito de que o parisiense, por natureza, é chato, ou como diz o professor Elias: “europeu nasce cansado”. Quero eu crer mais na hipótese do professor do que no mito há muito difundido no Brasil. Digo isso porque de certa forma fomos bem tratados pelos nativos franceses, não notamos qualquer resquício de arrogância em nossos contatos ocasionais. Como já disse em outro post, Cris foi elogiada por agente de alfândega e por gerente de livraria devido à boa pronúncia do francês.

Sobre o “cansaço” do parisiense, quero dizer que o jovem francês (não posso avaliar isso dos mais velhos) quando é interpelado por algum turista em seu idioma, se percebe alguma insegurança do gringo, ele imediatamente passa a se comunicar em Inglês - isso aconteceu por diversas vezes com a gente. Eu defendo a tese de que esse jovem ou é “preguiçoso” ou tá querendo “esnobar”, mostrando que domina outro idioma.

De hilário, a único e engraçada gafe ao pronunciar o francês foi cometida quando fomos comprar água num McDonald’s. Explico: Zezim aqui havia ingerido algumas brejas às margens do Sena e ao voltar pro hotel, minha bexiga não tolerou meu excesso, deixando-me em apuros dentro do metrô (e olha que ainda faltavam duas conexões a serem feitas) - acho que desde criança eu não me sentia apertado daquela maneira.

Em Paris, pra se ter acesso aos banheiros (“Toilettes”) dos McDonald’s é necessário consumir alguma coisa (você recebe uma senha impressa na nota fiscal e a digita na porta do banheiro). Depois das conexões realizadas, enfim, com muito sufoco, cheguei à estação Parmentier onde sabíamos da existência de uma loja da famosa rede fast-food (infelizmente ficarei grato ao McDonald’s após esse episódio). A estratégia era a seguinte: enquanto Cris se dirigia ao caixa pra comprar água e assim conseguirmos senha, eu correria pro banheiro aguardando-a. Mas, pra minha felicidade, encontrei o toilett aberto, sem a necessidade da senha.

Aliviado do sufoco e novamente feliz, reencontro Cris que está rindo à beça de sua mancada. Diz ela que em vez de pedir duas garrafas de água (“água” em Francês é Eau) resolveu solicitar o produto pelo nome da marca (Evian) mais consumida. Só que pronunciou Évier que quer dizer “pia” de cozinha; ou seja, ela pediu à caixa “duas pias de cozinha”, Rá, rá, rá!!! Maravilha...

4 comentários:

disse...

Fala Seu Zézim. Não sei se já te falei isso, mas sou meio avesso a blogs e outras variações de contatos virtuais. Prefiro o ao vivo. Mas qual não foi minha surpresa, quando estava acessando seu blog pela quarta vez em uma semana, especialmente por causa desta viagem de vocês. É legal ler seus comentários, parece que estou te ouvindo dizer: ma-ra-vi-lha, sílaba por sílaba. Mesmo ainda preferindo um papo "a live" contigo, na falta de, é bacana ler seus posts. Um abraço! Zé Del Ben

Zeca disse...

Bater-papo, bater bola, fazer sexo, voar, xingar juiz, tudo isso tem que ser In loco mesmo, meu caro Zé.
Aquelabraço nocê.

Claudinei Vieira disse...

viajamos juntos, camarada. que bacana tudo isso! grande abraço.

Zeca disse...

Claudinei, meu caro, que bom saber que você andas por aqui. Cara, não deixe de me avisar (com antecedência) de quando for rolar algum DESCONCERTOS.